Nobby Stiles: A família diz que o futebol ‘deve enfrentar o escândalo da demência’

A família do vencedor da Copa do Mundo de 1966, Nobby Stiles, diz que o futebol precisa “lidar com o escândalo” da demência no jogo. E criticaram a Associação de Jogadores Profissionais de Futebol, dizendo que havia falta de apoio aos jogadores.

ANÚNCIO

O ex-meio-campista do Manchester United e da Inglaterra morreu em outubro, aos 78 anos. Ele tinha demência e câncer de próstata.

Nobby Stiles: A família diz que o futebol 'deve enfrentar o escândalo da demência'
Foto: reprodução/ internet.

Stiles é o quinto membro da seleção inglesa vencedora da Copa do Mundo a ser diagnosticado com demência

“Os jogadores precisam de ajuda agora” – o filho de Stiles pede ao futebol para lidar com a demência. Pesquisas anteriores mostraram que ex-jogadores de futebol têm três vezes e meia mais probabilidade de morrer de demência do que a população em geral.

A família de Stiles disse estar orgulhosa “do que ele conquistou, mas o mais importante, do homem que ele era”. Mas acrescentaram: “É necessária uma ação urgente. Esses jogadores mais velhos foram amplamente esquecidos e muitos estão com problemas de saúde, como meu pai.”

ANÚNCIO

“Como é possível que estes jogadores estejam tendo dificuldades quando a Premier League recebe £ 3 bilhões por ano? O jogador moderno nunca precisará da ajuda exigida pelos rapazes mais velhos. Como pode ser certo que alguns dos heróis de 1966 tiveram que vender suas medalhas para sustentar as famílias?”, questionam os familiares.

Nobby Stiles: A família diz que o futebol 'deve enfrentar o escândalo da demência'
Foto: reprodução/ internet.

“Esses jogadores mais velhos estão morrendo como meu pai – muitos não têm medalhas para vender. É certo, é claro, procurar identificar a causa da demência em jogadores mais velhos, mas na verdade a causa é irrelevante para os jogadores mais velhos – seja qual for a causa, eles precisam de ajuda agora.“, revelou o filho de Stiles.

“Espero que a morte do meu pai seja o catalisador para que este escândalo seja abordado.”

ANÚNCIO

Stiles fez 397 partidas pelo Manchester United entre 1960 e 1971, mais tarde jogando pelo Middlesbrough e Preston North End.

Ele somou 28 internacionalizações pela Inglaterra e é o sétimo membro da seleção inglesa que começou a morrer da equipe do final da Copa do Mundo de 1966 contra a Alemanha Ocidental, após o capitão Bobby Moore, Alan Ball, Ray Wilson, Gordon Banks, Martin Peters e Jack Charlton.

Stiles teve um pequeno derrame em 2010 e foi então diagnosticado com doença de Alzheimer e câncer de próstata. A PFA disse: “Nossos pensamentos estão com a família de Nobby Stiles neste momento tão difícil.”

Em comunicado, a Football Association afirmou: “Continuamos a trabalhar em estreita colaboração com a Alzheimer’s Society e, juntamente com outras entidades desportivas, temos o prazer de fazer parte da campanha Sport United Against Dementia para ajudar a aumentar a consciencialização e obter apoio para os seus valioso trabalho.

Lesões de demência de Stiles ao cabecear

A pesquisa de um estudo do neuropatologista Dr. Willie Stewart – que foi encomendado pela FA e PFA – descobriu que ex-jogadores de futebol tinham entre duas e cinco vezes mais probabilidade de morrer de doenças cerebrais degenerativas. Ainda não foi provado se o cabeceamento é um fator contribuinte.

Mas o filho de Stiles diz estar “totalmente convencido” de que o cabeceamento causou problemas aos membros da equipe da Copa do Mundo de 1966 que foram diagnosticados com demência, incluindo Sir Bobby Charlton.

Nobby Stiles: A família diz que o futebol 'deve enfrentar o escândalo da demência'
Foto: reprodução/ internet.

Outros craques sofrem as mesmas consequências

O exame de Stewart do ex-atacante do West Brom, Jeff Astle, concluiu que ele morreu de uma doença cerebral normalmente associada a boxeadores, e que foi causada por jogar bolas de futebol.

No mês passado, um legista determinou que o ex-internacional galês Alan Jarvis morreu de demência associada a cabecear repetidamente a bola. Stiles disse que o futebol “se esconde por trás do fato de que é muito difícil obter evidências conclusivas de uma lesão cerebral”, já que não pode ser diagnosticada antes da morte.

Ele disse à BBC Sport: “É flagrantemente óbvio que cabecear a bola deu demência [aos jogadores da Copa do Mundo].”

“Eles não fizeram mais nada, embora tudo o que ouvi das autoridades do futebol é que precisam de mais estudos. Mas, enquanto o fazem, os jogadores não estão recebendo a ajuda de que precisam e precisam agora.”, continua o filho de Stiles.

“O futebol não reagiu e, entretanto, houve centenas, talvez milhares de jogadores de futebol que sofreram com isso, e o futebol deliberadamente, na minha opinião, não lidou com isso porque vai custar dinheiro e afetar a marca.”, revelou o herdeiro.

Nobby Stiles: A família diz que o futebol 'deve enfrentar o escândalo da demência'
Foto: reprodução/ internet.

“A pesquisa deve continuar, há muito dinheiro para fazer isso, para garantir que os jogadores atuais e os jovens que estão passando não sofram o mesmo destino que meu pai. Mas o mais importante, os jogadores devem receber cuidados e apoio agora, substancial apoio e cuidado.”

“Não creio que alguma vez se possa abandonar o futebol, mas pelo menos os jogadores devem estar cientes de que decidem jogar sabendo dos riscos”, finalizou o filho do craque.

Fique por dentro: Senado dos EUA aprova projeto de lei para criminalizar o doping em eventos esportivos internacionais

Traduzido e adaptado por equipe Ao Vivo Esporte

Fonte: BBC