Lenda da Holanda e do AC Milan disse que deveria ter se aposentado mais cedo e que sua carreira “não valeu” as dores

O ex-atacante da Holanda, Marco van Basten, disse que deveria ter se aposentado mais cedo e que sua carreira “não valeu” as dores que sofreu com as lesões.

ANÚNCIO

Van Basten, de 56 anos, foi um dos melhores jogadores de sua geração, vencendo a Bola de Ouro em três ocasiões entre 1988 e 1992. Mas ele lutou contra uma lesão persistente no tornozelo desde os primeiros 20 anos e teve que se aposentar com apenas 30 anos.

Frank Rijkaard, Marco van Basten and Ruud Gullit
Foto: reprodução/ internet.

Arrependimento de não ter parado mais cedo

“Se eu pudesse escolher novamente com todo o conhecimento que tenho hoje, não valeria a pena”, disse ele ao podcast da Euro League da BBC Radio 5 Live. “Todas as dores que tive não valeu a pena. O meu tornozelo criou tantos problemas, afetou o meu dia-a-dia. Mas naquela altura o futebol era a minha vida.”

“Agora estou mais velho, tive uma vida sem futebol. Você ainda pode ter uma boa vida – há mais do que futebol. Hoje eu tomaria uma decisão diferente se pudesse escolher. Eu morri como jogador de futebol”, concluiu Van Basten.

ANÚNCIO

Trajetória curta mas cheia de sucessos

Van Basten conquistou duas Copas da Europa consecutivas com o grande time do AC Milan no final dos anos 1980 e marcou seu gol mais famoso na final do Euro 88 sobre a União Soviética. Relembre abaixo:

Mas ele perdeu duas temporadas inteiras tentando lutar contra a lesão no tornozelo e agora não consegue nem chutar uma bola. “Em toda a minha vida não houve um dia em que eu não tivesse tocado em uma bola de futebol e de repente tudo acabou. Foi muito difícil, doloroso.”

ANÚNCIO

“Cruyff era meu herói”

Van Basten conheceu seu ídolo Johan Cruyff aos 15 anos e queria dizer a ele que um dia seriam companheiros de equipe – mas perdeu a coragem. Poucos meses depois, Van Basten substituiu Cruyff como reserva e marcou na estreia do Ajax.

Cruyff was my idol - Van Basten | Goal.com
Foto: reprodução/ internet.

“Cruyff foi um dos melhores, meu herói e exemplo”, disse Van Basten. “Ele foi uma estrela ao mesmo tempo que George Best, fantástico de assistir. Eu o conheci mais tarde, ele se tornou meu treinador, meu conselheiro, meu companheiro de equipe, meu adversário.”

Traduzido e adaptado por equipe Ao Vivo Esportes

Fonte: BBC

ANÚNCIO