Paraquedismo com surfe? Esse esporte existe mesmo

O nome do esporte é skysurf e ele mistura o paraquedismo com uma prancha em queda livre. O salto é feito em grande altura e permite a realização de curvas, loopings e acrobacias no céu. O esporte só é indicado para quem tem muita experiência com saltos de paraquedas.

ANÚNCIO

Aliás, ainda que não se tenha uma Federação ou uma regra geral para ele, só se recomenda que pratique o skysurf quem já fez mais de 5 centenas de saltos de paraquedas. O praticante é chamado de surfista dos céus e as manobras tendem a ser bastante arrojadas. 

Paraquedismo com surfe? Esse esporte existe mesmo
Foto: (reprodução/internet)

As competições de skysurf

Por mais que seja um esporte novo, as competições de skysurf acontecem há mais ou menos 1 década. Assim, foi só a modalidade ser criada para que essas disputadas começassem a valer. E, por incrível que pareça, é um esporte que está presente em todo canto do mundo.

No entanto, é uma atividade mais restrita devido à complexidade e aos riscos envolvidos nos saltos. Tanto é que são poucas as pessoas que podem e devem participar desse tipo de saldo. Em termos de competição, o evento acontece na disputa por equipes de 2 atletas cada.

ANÚNCIO

Mas, somente um atleta é que vai competir enquanto o outro fica responsável por fazer as gravações com uma câmeraflyer. Ele grava a performance do competidor, mas também pode contribuir de alguma forma, para a performance artística da equipe. 

O nome mais conhecido do skysurf

Atualmente, o nome mais conhecido entre os praticantes desse esporte é o de Patrick de Gayard, que é chamado de pai do skysurf. Ele é brasileiro e junto com o paraquedista cameraflyer brasileiro Guilherme Pádua, ele foi campeão mundial em 1996.

Além dele, outros franceses são referências no esporte, como o Joel Cruciani, que foi quem saltou pela primeira vez com a prancha de surf presa aos pés e o Laurent Bouquet, que saltou com uma prancha de skate nos pés. Nós vamos contar mais do histórico do esporte abaixo.

ANÚNCIO

Outros nomes que devem ser lembrados são de Tania Garcia, uma americana que venceu a Taça do Mundo Feminina de 2000 e de Judith Graile, que é um alemão que venceu o Europeu do mesmo ano, 2000.

A linha do tempo do skysurf

Comentamos dos franceses mais conhecidos do skysurf, mas não explicamos exatamente a importância de cada um deles, certo? Faremos isso agora mesmo, até mesmo porque você já notou que os franceses dominam a lista das curiosidades e da história do esporte, né. 

Em 1987 Joel Cruciani foi o primeiro nome do skysurf. Isso porque ele realizou o primeiro salto com uma prancha de surf presa aos pés. No ano seguinte, o Bouquet usou a prancha de skate. E ele mesmo criou um sistema de recuperação de prancha em caso de soltura. 

Nesse mesmo ano, em 1988, o Gayardon começou a usar as pranchas fabricadas por Bouquet. Assim, ele criou o primeiro sistema de libertação da prancha para casos emergências e isso tornou a prática um pouco menos arriscada. 

Os primeiros praticantes de skysurf

Considerando todo esse histórico, leve em conta que em 1990, também na França, surgiram vários paraquedistas praticando o surf aéreo. Além dos nomes citados, nós temos também os de Bruno Gouvy, Eric Fradet, Phillipe Vallaud e Peter Schafer. 

Já nos Estados Unidos, o primeiro nome que aparece é de Jerry Loftis. Em 1992, a Federação Francesa de Paraquedismo reconhece o skysurf como modalidade esportiva. Inclusive, cria um programa de treinamentos para os futuros praticantes, os skysurfers. 

Nesse mesmo ano, de 1992, os Estados Unidos sediam a primeira demonstração competitiva de skysurf, no Arizona. Inclusive, foi feito um vídeo de divulgação que passou pelas TVs nacionais e de outras partes do mundo. 

As primeiras competições de skysurf

Lembra que falamos acima que as competições acontecem há mais de 10 anos? Isso porque a primeira delas surgiu em 1993, também no Arizona. Na ocasião haviam 8 equipes participantes e entre os famosos, um destaque surgiu Rob Harris. 

No mesmo ano também foi criada a primeira competição oficial da WFF do esporte, na Espanha. O Campeonato Mundial de Skysurf teve a participação de 40 equipes de 15 países diferentes. O campeão foi o Patrick de Gayardon, com o Gus Wing. 

No ano seguinte, em 1994, aconteceu a segunda edição do Campeonato Mundial, agora no Arizona. E dessa vez já houve a inclusão das mulheres na competição. Ao todo foram 51 equipes de 15 países. Rob Harris venceu e Gaudenzia Martinengo também. 

O skysurf no XGames

No ano de 1995, o esporte foi introduzido aos XGames, que é uma competição de esportes radicais reconhecida no mundo todo. Assim, as 10 melhores equipes foram convidadas e a de Rob Harris venceu, de novo. No mesmo ano, aconteceu o 3º Mundial, na Alemanha.

Um ano mais tarde, em 1996, surgiu o primeiro circuito profissional de skysurf, sendo formado por 4 competições, das quais aconteciam nos Estados Unidos, Espanha e Suíça. O circuito classificava os competidores para o XGames.

E em 1996 também teve outro fator histórico importante: a Federação Aeronáutica Internacional reconhece o skysurf como modalidade esportiva. Sendo que em 1997 criou os primeiros Jogos Aéreos Mundiais, com o skysurf incluído neles. 

Os materiais usados no skysurf

Para a prática desse esporte super radical, considere que há uma lista de materiais e equipamentos de segurança que devem ser usados. Em linguagens mais técnicas, vamos começar falando de alguns itens que você vai precisar conhecer. 

Por exemplo, o arnês com sistema de abertura BOC ou Pull Out. Ele é o paraquedas mesmo, sendo que um é o principal e tem o reserva. Já o BOC é um sistema que permite a abertura automática. Tem ainda outro com sistema cibernética, chamado de cypress (não é aceito).

O capacete, que é usado para todo e qualquer salto. Outro item é o altímetro visual, que indica a altura do paraquedista e o altímetro sonoro, que fica preso no capacete e próximo do ouvido do praticante. Também é bom ter uma faca e roupas adequadas (calçados, luvas e óculos). 

A prancha do skysurf

Deixamos para falar da prancha em um tópico separado. Considere que ela é muito próxima a uma prancha de surfe mesmo, sendo que tem as mesmas características. Assim, deve ter uma superfície lisa, com rebordo de borracha, proteção extra e largura de 11 polegadas.

Lembrando que quanto mais leve a prancha for, então, mais fácil é de dominar e manusear ela. Atualmente, é possível comprar essas pranchas em vários e-commerce sendo que elas partem de R$ 2,5 mil.

Além da prancha, dá para considerar o fato de salto, que é como uma camisola de mangas largas e calças que são apropriadas para esses saltos. 

O paraquedismo com caiaque

Se você achou bem curioso o fato de pessoas saltarem de paraquedas com uma prancha de surfe presa nos pés, que tal saber que também tem quem faça isso preso em um caiaque? E isso mesmo, o esporte também existe e ganhou o nome de skaiaque.

Paraquedismo com surfe? Esse esporte existe mesmo
Foto: (reprodução/internet)

Ele ganhou destaque no ano de 2012, quando Miles Daisher, que é um americano e tem muita experiência em saltos de paraquedas, base jump e skysurf, fez a sua estreia nesse esporte. Ele foi o primeiro homem a fazer o salto do avião preso em um caiaque. E com 40 anos de idade.

O salto foi feito a 3,9 mil metros e ele terminou de um modo muito incrível, no lago Tahoe, em Sierra Nevada, nos Estados Unidos. Chegando lá em uma velocidade de 50 km/h. Só que essa não foi a primeira vez que se falou em saltos de caiaque.

Os primeiros saltos de caiaque

Os primeiros saltos de caiaque foram realizados a partir de uma ponte de 180 metros de altura na Califórnia, nos Estados Unidos. E esses saltos eram tipos treinamentos para os movimentos, sendo que caiam sobre a água para ter ideia do impacto. 

Após um ano de prática e treino, o norte-americano conseguiu o aval para fazer isso pulando de uma aeronave. Para Daisher, o salto tem suas peculiaridades, como necessitar de muito equilíbrio do paraquedista para que não fique girando no céu. 

Depois, ainda há de se considerar que é preciso acionar o paraquedas mais cedo, por medidas de segurança. E como o caiaque cria resistência no ar, e velocidade da queda é mais ou menos 20% menor do que o salto de paraquedas mais convencional, disse o esportista. 

Outros saltos com pranchas que pouca gente conhece

Além do skysurf, saiba que há outros esportes radicais praticados com pranchas que pouca gente conhece. Por exemplo, o Wakeboard aconteceu com uma prancha e na água. Assim, os saltos são mais rasteiros, ainda assim, permitem ótimas manobras.

Isso porque eles são puxados por sistemas de cabos, como os guinchos. Já o Sandboard também permite saltos mais baixos, sendo geralmente em dunas de areia. A prancha também é próxima a de snowboard. E o Tow-in surfing é quando o surfista é rebocado por um jet-ski.